domingo, 30 de junho de 2013

Fundação Cultural reabre o Projeto “Quinta da Boa Música” na Estação Ferroviária






Fundação Cultural reabre o Projeto “Quinta da Boa Música” na Estação Ferroviária

 BANDA PLÁGIO FOI A CONVIDADA ESPECIAL PARA REABERTURA DO PROJETO

Dentro do programa de apoio e incentivo aos movimentos artísticos de Varginha, será relançado nesta semana, dia 04/7, às 20h, o Projeto “Quinta da Boa Música”, que apresentará toda quinta, um compositor ou grupo musical da cidade, além do intercâmbio com grupos e bandas da região. Para reabertura do Projeto foi convidada a Banda Plágio, pelo crescente trabalho que eles vêm realizando em toda região.

O Projeto acontecerá toda quinta, às 20h, na Estação Ferroviária (Estação das Artes), com entrada franca. A apresentação será na plataforma de embarque da Estação, onde já virou palco para diversas apresentações, com aprovação geral do publico tanto pelo visual, acústica e astral que local oferece. 

A Banda Plágio foi convidada especial na reabertura do Projeto:
Formada em 2009 com intuito de tocar um repertório pra agradar todas as idades a banda vem desde então mostrando seu som e sua identidade no cenário cultural de Varginha e região!

Já no seu primeiro ano de formação a banda conquistou o terceiro lugar no festival Palco Alternativo do Conservatório Estadual de Música de Varginha, competindo com mais 10 bandas. Atualmente a banda vem se destacando no cenário cultural com apresentações registradas em importantes projetos como Quinta da Boa Música, Toca Legião, Toca Raul, Varginha Moto Fest, Canto de Praça e eventos particulares nas principais cidades da Região.

Para Millena Castro, já conhecida na região pelo brilho especial na interpretação vocal, o objetivo do grupo, tendo em vista que o público alvo são os apreciadores do bom e velho Rock n’ Roll e que esses são fiéis à música de qualidade, é apresentar covers de clássicos do rock inserindo nossa própria identidade, sempre levando em consideração a técnica musical. Como meta principal buscamos trabalhar na divulgação da nova formação da banda e aumentar o número de eventos, shows e cidades visitadas, gravar e lançar nosso primeiro single: “Lembranças Repetidas”, afirma a vocalista Millena.

A banda tem uma pegada mais Hard Rock e faz covers de clássicos que marcaram o rock internacional e nacional como Scorpions, Guns n' Roses, Queen, Bon Jovi, The Beatles, Foo Fighters, Adele, Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Raimundos, Pitty e muito mais.

A banda é formada por Millena no vocal; Felipe na guitarra base; Bruno na guitarra Solo; Gustavo no baixo e PC na Bateria.

Para o Professor Francisco Graça de Moura, Diretor Superintendente da Fundação Cultural, esta será mais uma ação de incentivo aos movimentos culturais da cidade, como prometido e agora cumprido pelo Prefeito Dr. Antônio Silva. “Nosso esforço será no sentido de oferecer a melhor estrutura técnica para os músicos, que são os protagonistas do Projeto, que espontaneamente participarão desta nova etapa, e acima de tudo levar ao fiel público da Boa Música varginhense, o que há de melhor na Produção Musical da cidade”, conclui com entusiasmo o Professor Francisco.


Vale a pena conferir o retorno da QUINTA DA BOA MÚSICA, a mais nova programação musical da cidade, na próxima quinta, 4 de julho, às 20h, na Estação Ferroviária de Varginha (Estação das Artes), com entrada franca.

As bandas interessadas em participar do projeto deverão, inicialmente, solicitar o cadastramento no SISTEMA MUNICIPAL DE CULTURA, pessoalmente ou por e-mail, de segunda a sexta, no horário comercial na sede administrativa da Fundação Cultural na antiga Estação Ferroviária de Varginha, na Praça Matheus Tavares, 121, centro, telefone (35) 3690 2700.

Maiores informações na Coordenadoria de Eventos como o Produtor Rosildo Beltrão pelo telefone (35) 3690 2708, ou pelo e-mail: producaoeventos@varginha.mg.gov.br

PRÓXIMAS ATRAÇÕES:
11/7 - BANDA YELLOW BIRD
18/7 - BANDA GAMBIARRA (O RETORNO)

Contato: Coordenadoria de Eventos Artísticos - Rosildo Beltrão (35) 3690 2708 - producaeventos@varginha.mg.gov.br

INSS regula revisão de benefícios com indícios de irregularidades


O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) criou novas regras para uniformizar a análise de processos de reconhecimento ou revisão de pedidos de benefícios previdenciários com indícios de irregularidades, como fraudes. A Instrução Normativa do INSS nº 68 determina que se o responsável pelo suposto dano não for identificado pela Agência da Previdência Social (APS), cópia digital da apuração deverá ser encaminhada para a Polícia Federal, que assumirá a investigação.

Na visão da advogada de Direito Previdenciário do escritório Innocenti Advogados Associados, Beatriz Rodrigues Bezerra, a intenção do INSS é boa, pois visa padronizar a revisão dos benefícios, disciplinando as vistas de processo e dos prazos para apresentação de defesa. “Deverão ocorrer investigações para apuração de quem foi o responsável pela irregularidade, independente de dolo ou má-fé. E havendo a elaboração da noticia-crime, ela deverá ser encaminhada ao Ministério Público Federal”, explica. De acordo com a nova norma, após a conclusão das apurações, se houver indício de fraude, o processo será encaminhado à Procuradoria Federal Especializada junto ao INSS para análise e, se for o caso, para elaboração de notícia-crime.

A advogada ressalta que, no caso de valores recebidos de forma indevida, a nova instrução normativa não fala em “erro” por parte da administração, e nem em “pagamento indevido em razão de erro da administração”, mas somente em ausência de fraude. “Quando não se tratar de fraude, o levantamento dos valores recebidos indevidamente será efetuado, retroagindo cinco anos, contados da data de início do procedimento de apuração, incluindo, ainda, os valores recebidos a partir dessa data, que serão atualizados até a data da constituição do crédito”.

Beatriz Rodrigues destaca que em relação aos benefícios por incapacidade, no caso de a junta médica do INSS concluir pela existência de capacidade laborativa, o benefício será suspenso. “O beneficiário será notificado e poderá apresentar recurso”, alerta.

Eu sou a favor sim



Eu sou a favor sim de bolsas para quem necessita A saber Bolsa alimentação em alimento.
Bolsa saúde em medicamentos.  Jamais bolsa dinheiro.  Bolsa doação não são aposentadoria nem pagamento obrigatório mensal. Doente tem de estar aposentado com todo conforto possível É ajuda para que a pessoa não passe fome durante desemprego. Sou a favor até de mais. Por isto temos campanhas de alimentos agasalhos etc. Sou contra bolsa dinheiro porque abre portas pra muitas coisas erradas. Sou a favor de bolsas escolas ,faculdades para alunos que demonstrem necessárias e estudo .  Este será grande no amanhã para a nação .
Sou a favor até da bolsa carteira de motorista porque muitos que gostariam de trabalhar nesta área não têm como pagar.
Tenho ideias como muitos tem mas quem nos escuta?
Em momento algum eu deixaria de apoiar atitudes humanitárias ou de ajudar.
Nós brasileiros sempre ajudamos faz parte de nossa maneira de ser.
Mas bolsa dinheiro gerou atitudes erradas, é ajuda não pagamento. È para aliviar apertos e não para viver dela. É necessária mas tem de ser revista,
Nós temos ideias mas ninguém no escuta.

sábado, 29 de junho de 2013

Tratado de Marrakesh: momento histórico dos Direitos Autorais

Tratado de Marrakesh: momento histórico dos Direitos Autorais


 Benny Spiewak*

A assinatura do Tratado de Marrakesh representa um momento histórico para o sistema dos Direitos Autorais. Assinado em 28 de junho no Marrocos, o tratado internacional facilitará e tornará livre de impedimentos, sob a ótica dos direitos autorais, o processo para que obras literárias sejam adaptadas para o sistema braile e outros sistemas que permitem a absorção por portadores de necessidades visuais específicas.

Baseado na lei brasileira de direitos autorais e outras legislações Latino Americanas, o Tratado resultou de quase uma década de trabalhos junto à Organização Mundial da Propriedade Intelectual, em Genebra, Suíça. O ato aconteceu na cidade de Marrakesh, Marrocos, durante conferência da Organização Mundial da Propriedade Intelectual, formada por 186 países.

O novo tratado ilustra um momento especial de harmonização entre os Direitos Humanos e os Direitos da Propriedade Intelectual, bem como e especialmente, destaca a capacidade e liderança brasileiras nas questões discutidas no âmbito da Organização Mundial da Propriedade Intelectual.

Mais do que isentar os formatos excepcionais do pagamento de royalties, o Tratado de Marrakesh reconhece a importância da participação da sociedade civil organizada na formação de processos legislativos internacionais. A iniciativa do tratado, que resulta de quase uma década de discussões, foi lançada por associações de portadores de limitações visuais, as quais pautaram, instruíram e pressionaram os governos a discutir o tema, finalmente aprovando-o.

Como regra, obras literárias são protegidas pelo sistema autoral, para que haja um equilíbrio entre o acesso à informação e a justa remuneração do autor e dos gestores da obra. Ocorre que algumas exceções à essa regra existem. A lei brasileira, desde 1998, entende que é livre, ou seja, não ocorrerá em violação aos direitos autorais, a adaptação de obras literárias impressas em formatos padrão para modelos acessíveis aos indivíduos com capacidade visual limitada ou inexistente, como os formatos com fontes maiores ou impressas no sistema braile.

O Brasil sempre defendeu a tese de que a encontrava base legal internacional, especialmente pela Convenção de Berna. Essa Convenção estabelece que os Países poderiam estabelecer exceções às regras autorais desde que elas ocorressem em casos específicos, que não impedissem ou prejudicassem substancialmente a exploração da obra através de outros meios e, ainda, que não causassem prejuízos indevidos aos titulares de direito. Ocorre que a exceção brasileira era regional, não alcançando outros territórios.

Com o Tratado de Marrakesh, a Organização Mundial da Propriedade Intelectual incorpora esse conceito de exceção em um documento internacional. Assim, os países que escolherem ratificar o Tratado terão incorporadas, em suas legislações autorais locais, a exceção para os chamados VIPs – Visually Impaired People, ou indivíduos com limitações visuais.

Nos últimos dias, inclusive, uma situação inusitada ocorreu. O cantor e compositor Stevie Wonder clamou aos negociadores que atingissem o consenso, garantindo que, na hipótese de conclusão do Tratado, ele se apresentaria em Marrakesh, em um pequeno concerto. Sorte dos ali presentes, que puderam aproveitar uma belíssima apresentação. Stevie Wonder chegou a Marrakesh na manhã de 28 de junho, dia da assinatura. De fato, há muito o que se comemorar.


* Benny Spiewak é advogado, sócio responsável pelas áreas de Defesa, Propriedade Intelectual, Life Sciences e Tecnologia do escritório ZCBS – Zancaner Costa, Bastos e Spiewak Advogados, especialista em Propriedade Intelectual e Tecnologia pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), especialista em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia pelo The Franklin Pierce Law Center (Concord, EUA) e mestre em Direito da Propriedade Intelectual (LLM), formado pela The George Washington University.



SEGUNDO DIA DO ARRAIAL DE BELÔ ANIMA NOITE NA PRAÇA DA ESTAÇÃO Na segunda noite de festa, o Arraial de Belô tomou conta da Praça da Estação com as cores e a alegria das damas e cavalheiros das quadrilhas Arriba a Saia, Águia Caipira, Fogo de Palha e Pé Rachado. A festa começou ao som das bandas Falcatrua e Chama Chuva. Em seguida, a primeira quadrilha a se apresentar foi a Arriba a Saia, que entrou com tudo para tentar conquistar o título do Grupo Especial. Este ano, o tema foi a seca no sertão e a quadrilha contou as histórias do povo sertanejo. Quadrilha Arriba a Saia - Crédito: Juliano Alvarenga / Acervo Belotur A segunda apresentação da noite foi a Águia Caipira que fez uma homenagem à viola caipira, instrumento que se transformou em um símbolo do homem do campo. Quadrilha Águia Caipira - Crédio: Joisson Gomes / Acervo Belotur Quando o grupo Fogo de Palha entrou em cena, a quadrilha tocou o coração do público, homenageando o amor caipira. Quadrilha Fogo de Palha - Crédito: Juliano Alvarenga / Acervo Belotur Por fim, a última quadrilha na noite, Pé Rachado, trouxe o tema “A origem da quadrilha: felizes os que observam o passado para poder caminhar no futuro”. Quadrilha Pé Rachado - Crédito: Juliano Alvarenga / Acervo Belotur No fim da noite, a dupla sertaneja João Lucas e Diogo subiu ao palco para o show de encerramento. Hoje (29/06), a partir das 18h, é a vez de Menina do Céu, Saulo Laranjeira e Saldanha Rolim abrirem o Arraial de Belô. Depois, o público vai curtir a apresentação das quadrilhas Arraiá Brejo Grande, Arraia do Pé de Serra, Feijão Queimado, Beija-Flor de Minas, Cata Latas e São Gererê. A dupla Vitor e Guilherme fecha a noite de sábado onde serão conhecidas as quadrilhas vencedoras. O Arraial de Belô - Considerada a melhor festa junina da região sudeste, há 35 anos, o Arraial de Belô faz parte do calendário oficial de Belo Horizonte. O evento contempla manifestações culturais que resgatam o costume das festas juninas mineiras, reafirmando a importância das tradições populares brasileiras. As nove administrações regionais são representadas por cerca de 60 grupos de quadrilha que, a cada ano, nos meses de junho e julho, levam a dança aos quatro cantos da cidade. A grande festa do grupo especial acontece na Praça da Estação, onde juntamente com as apresentações das quad rilhas, o público pode apreciar a rica gastronomia mineira, servida em barracas típicas. O Arraial de Belô é uma iniciativa da Belotur e conta com apoio da Fundação Municipal de Cultura e do Ministério da Cultura.


SEGUNDO DIA DO ARRAIAL DE BELÔ ANIMA NOITE NA PRAÇA DA ESTAÇÃO
Na segunda noite de festa, o Arraial de Belô tomou conta da Praça da Estação com as cores e a alegria das damas e cavalheiros das quadrilhas Arriba a Saia, Águia Caipira, Fogo de Palha e Pé Rachado. A festa começou ao som das bandas Falcatrua e Chama Chuva. Em seguida, a primeira quadrilha a se apresentar foi a Arriba a Saia, que entrou com tudo para tentar conquistar o título do Grupo Especial. Este ano, o tema foi a seca no sertão e a quadrilha contou as histórias do povo sertanejo.

Quadrilha Arriba a Saia - Crédito: Juliano Alvarenga / Acervo Belotur
A segunda apresentação da noite foi a Águia Caipira que fez uma homenagem  à viola caipira,  instrumento que se transformou em um símbolo do homem do campo.

Quadrilha Águia Caipira - Crédio: Joisson Gomes / Acervo Belotur
Quando o grupo Fogo de Palha entrou em cena, a quadrilha tocou o coração do público, homenageando o amor caipira.

Quadrilha Fogo de Palha - Crédito: Juliano Alvarenga / Acervo Belotur
Por fim, a última quadrilha na noite, Pé Rachado, trouxe o tema “A origem da quadrilha: felizes os que observam o passado para poder caminhar no futuro”.


Quadrilha Pé Rachado - Crédito: Juliano Alvarenga / Acervo Belotur

 
No fim da noite, a dupla sertaneja João Lucas e Diogo subiu ao palco para o show de encerramento.
Hoje (29/06), a partir das 18h, é a vez de Menina do Céu, Saulo Laranjeira e Saldanha Rolim abrirem o Arraial de Belô. Depois, o público vai curtir a apresentação das quadrilhas Arraiá Brejo Grande, Arraia do Pé de Serra, Feijão Queimado, Beija-Flor de Minas, Cata Latas e São Gererê. A dupla Vitor e Guilherme fecha a noite de sábado onde serão conhecidas as quadrilhas vencedoras.
O Arraial de Belô - Considerada a melhor festa junina da região sudeste, há 35 anos, o Arraial de Belô faz parte do calendário oficial de Belo Horizonte.  O evento contempla manifestações culturais que resgatam o costume das festas juninas mineiras, reafirmando a importância das tradições populares brasileiras. As nove administrações regionais são representadas por cerca de 60 grupos de quadrilha que, a cada ano, nos meses de junho e julho, levam a dança aos quatro cantos da cidade. A grande festa do grupo especial acontece na Praça da Estação, onde juntamente com as apresentações das quad rilhas, o público pode apreciar a rica gastronomia mineira, servida em barracas típicas. O Arraial de Belô é uma iniciativa da Belotur e conta com apoio da Fundação Municipal de Cultura e do Ministério da Cultura.

V FOR VENDETTA (V DE VINGANÇA)



V FOR VENDETTA
(V DE VINGANÇA)
Ralph J. Hofmann
A máscara do bigodudo de sorriso sardônico presente nas demonstrações ao longo do país se origina na série de romances gráficos ‘V for Vendetta’ de Alan Moore e David Lloyd. O romance originou o filme de mesmo nome.
No filme um homem busca vingança contra um parlamento corrupto e os detentores do poder de uma Inglaterra pós-hecatombe nuclear.  Acaba detonando explosivos por baixo do prédio do Parlamento, enquanto uma massa popular vestindo a máscara e a capa negra do paladino celebra.
 Os membros deste parlamento estariam tão alheios à justiça moral e ética quanto o de certo gigante deitado em berço esplêndido nosso conhecido.
O figurino do personagem sardônico-sorridente vem de Guy Fawkes um dissidente que visava assassinar o Rei James I da Inglaterra para voltara a instituir uma igreja católica com ingerência do Vaticano na política no país.
Foi capturado num subterrâneo do Parlamento ao lado de dezenas de barris de pólvora portando uma mecha para detonar o explosivo e um relógio para saber que horas o rei estaria visitando o legislativo.
Após torturado e executado junto com oito outros conspiradores no que foi chamado “O Complô da Pólvora” o rei ordenou que no dia 5 de novembro  celebrassem  com fogueiras o insucesso do complô.
Isto ocorreu em 1605 e a celebração do dia de Guy Fawkes continua ate nossos dias, com fogueiras, fogos de artifício e nos últimos cem anos a queima de um boneco (estilo “malhar o Judas”) representando Guy Fawkes ou alguma figura que desagrade as pessoas (já foi o Papa, Margaret Thatcher e Paul Kruger o líder dos Boers na guerra de mesmo nome).
Atrevemo-nos a lembrar de que estamos em plena época de festas juninas.  De quem seria a imagem para queima em efígie?
 Lula?    Dilma?   Sarney?   Calheiros?
Todos os acima e mais outros 500?

Seu cheiro em mim


Seu cheiro em mim
A água escorre em meu corpo
Minha pele o sabonete perfuma
Tira-me o prazer da sua essência
Lava impiedosamente seu odor
Soluço ao retirar a sua marca
Beijos desejados, néctar amado.
Seu cheiro em mim, gosta de sentir.
A solidão chega de mansinho
Misturada ao banho de chuveiro
Levam a espuma os sonhos de meu travesseiro
Noite de suspiro e aconchego
Não sei se sonhei ao dormir
Todavia sinto seu cheiro
mesmo sem estar aqui
Estrelas brilham
O fogo queima
Morre a alegria
Esperança chega matreira
Zombam de mim os pirilampos
Brilhando na escuridão
Mostrando a luz da saudade
Que habita meu coração
Dione Fonseca ( Mamuzinha)
Enviado por Dione Fonseca ( Mamuzinha) em 23/06/2009
Alterado em 07/07/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.sitedoautor.net"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

The Manhattan Transfer - Chanson D'Amour

Prefeitura anuncia criação do Conselho Municipal de Transporte





O anuncio foi feito na tarde de quinta-feira, durante coletiva com a imprensa, pelo prefeito Antônio Silva. O Conselho, que será composto por representantes dos movimentos populares,  Câmara Municipal, do Executivo, de sindicatos de classe e economistas,  será responsável pela fiscalização e deliberação do das questões inerentes ao serviço do Transporte Coletivo Urbano em Varginha, tais como a qualidade do serviço prestado, reajustes de tarifas, trajetos de pontos de ônibus, dentre outros assuntos. A expectativa é que em uma semana o Conselho já esteja formado.
O anuncio foi feito uma semana depois da decisão de reduzir a tarifa do transporte coletivo em R$0,10, que passará já a partir de segunda-feira, 1º de julho, de R$ 2,70 para R$ 2,60. “A decisão do Governo federal, em reduzir o PIS e Cofins possibilitou novo cálculo tirando a percentual equivalente e foi possível reduzir os R$ 0,10", explicou o prefeito. Quanto a revogação imediata do ultimo aumento do preço da passagem do ônibus, voltando ao valor de R$2,50, o prefeito deixou claro não ser possível neste momento. “Primeiro precisamos entender os critérios que a administração passada usou para chegar nos R$2,50, porque nos sabemos as razões do ultimo reajuste. Apenas concedemos a inflação do Índice Geral de Preços de Mercado (IGPM), que era de 7,88%,”.
Das reivindicações feitas à Prefeitura pelo Movimento Pró Varginha o Prefeito acenou como prioridade a gratuidade para os alunos do Cefet, suspensa no início do ano porque a verba utilizada para a concessão vinha do valor destinada ao transporte de alunos da zona rural do município. “Estamos estudando uma forma de conseguir o retorno desse passe para os alunos do Cefet”, disse.  Quanto a volta da tarifa social (aos domingos e feriados, passageiros pagavam R$ 1,00 pela passagem de ônibus circular), e a implantação do meio-passe universitário Antônio Silva explicou que neste momento a Prefeitura não tem recursos para subsidiar tais benefícios. “Pegamos uma Prefeitura com R$127 milhões de dívidas, estamos saneando a casa para mantermos os serviços essenciais. E é importante que as pessoas saibam que qualquer isenção de tarifa recai sobre o valor cobrado, e será que pé junto um pai de família, que recebe um salario pagar  pelos outros”, disse o prefeito.
Durante a Coletiva foram levantados outros assuntos, incluindo o Projeto de lei que tramita na Câmara de Vereadores, que autoriza o munícipio a celebrar convenio com o Estado, para que a COPASA assuma a operação do novo aterro sanitário e a recuperação do LIXÃO, cuja capacidade operacional esta se esgotando.  O projeto tramita na Câmara desde o mês de março deste ano, aguardando um parecer das comissões para entrara em votação.
-->

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Demis Roussos - Goodbye, my love, goodbye1973

Botany Bay sung by Mirusia Louwerse in Melbourne Australia

Presidente da Câmara participa de abertura do Jincas

O presidente da Câmara de Varginha, vereador Leonardo Ciacci, participou na tarde desta segunda-feira (24) da abertura dos Jogos Internos do Catanduvas - Jincas.
O evento ocorreu no Ginásio Poliesportivo do Colégio e contou com a participação de dezenas de estudantes que representarão suas salas na competição. "A Câmara de Varginha aplaude e apoia os Jogos Internos do Catanduvas por perceber que é no esporte que essas crianças e adolescentes encontram uma maneira saudável de se desenvolverem. Em nome de todos os vereadores eu agradeço o convite e manifesto nosso apoio para eventos dessa natureza", disse o presidente da Câmara.



--

Presidente da Câmara prestigia evento regional da Educação





O presidente da Câmara de Varginha, Leonardo Ciacci, representou todos os vereadores, na manhã desta terça-feira (25), no Seminário Regional da Undime – União dos Dirigentes Municipais da Educação – realizado no Hotel Sleep Inn.
O evento, promovido pela Secretaria Municipal de Educação de Varginha reuniu representantes de várias cidades do Sul de Minas e teve como tema a Educação Infantil. “Percebemos, ao participar de um evento como esse, que Varginha é um importante polo regional, principalmente quando falamos de educação. Em nome de todos os vereadores, parabenizo toda a equipe da Secretaria Municipal de Educação que organizou esse evento que tanto contribui para a formação de nossos educadores”, disse o presidente da Câmara.
Na foto, o vereador Leonardo Ciacci (direita) está acompanhado da Secretária Municipal de Educação, Rosana Aparecida Carvalho e o superintendente da Fundação Cultural, professor Francisco Graça de Moura.

Reginaldo Tristão pede que Prefeitura crie parceria com INDI





Com o intuito de levantar propostas que tenham como objetivo promover o desenvolvimento do setor industrial, o vereador Reginaldo Tristão apresentou uma indicação na Câmara de Varginha solicitando que a Administração Municipal forme parceria com o Indi – Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais. De acordo com o vereador, tal atitude fomentaria a economia municipal. “O Indi presta assistência aos investidores que pretendem instalar unidades produtivas em Minas Gerais e apoia os empreendimentos que já se encontram instalados no Estado, auxiliando-os nos processos de expansão, relocalização e de ampliação da competitividade. Todo o trabalho desenvolvido pelo INDI é realizado sem nenhum ônus para o investidor”, explica Reginaldo Tristão.
O vereador ainda faz questão de ressaltar que a instituição é tradicional no Estado e teve seu compromisso cumprido desde sua fundação. “Em 2013, o INDI completa 45 anos de existência, o que o consolida como uma das agências de promoção de investimento mais tradicionais do país na melhoria econômica e social do Estado de Minas Gerais, por isso, acredito ser de suma importância que o Município de Varginha seja parceiro dessa instituição que terá muito para contribuir na nossa cidade”, conclui o vereador.
O Instituto é vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico – Sede - e é mantido pela Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig - e pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais - BDMG.

Dr. Armando Fortunato comemora implantação de penas alternativas em Varginha





Uma iniciativa do vereador Dr. Armando Fortunato foi colocada em prática pela Prefeitura de Varginha. Desde 2010 é solicitado pelo vereador que detentos realizem trabalhos, como de capina e limpeza, pela cidade. Os detentos já faziam esses serviços, agora, as detentas também foram incluídas nessa ação.
Ao trabalharem, os condenados conquistam direito de progressão da pena, sendo um dia a menos para ser cumprido a cada três dias de serviço. “Ao promover essa reinserção do detento, o Município demonstra que cumpre seu papel social com essas pessoas e, ainda, obtém mão de obra para realizar os inúmeros serviços que nossa cidade precisa. É essa nossa intenção, a reinserção de detentos no mercado de trabalho e a promoção de uma cidade mais limpa”, destaca o vereador Dr. Armando Fortunato.
O convênio para o trabalho dos detentos é firmado entre o Município de Varginha e Governo do Estado e para que seja executado, conta com a parceria da Subsecretaria de Administração Prisional – Suapi – e o juiz da Vara Criminal, Dr. Oilson Schimitt.